Menu

The Journaling of Larkin 349

firedmetal16's blog

Um Homem Não Perde Aquela Que é Relevante

Acesse Como Conquistar Um Homem Casado árduo Se Apaixonar Por você (3 Sugestões)


Sanaa se preparava pra almoçar com a família no momento em que eles chegaram em picapes brancas Toyota e Kia. Separaram mulheres e crianças para um lado, homens pro outro. Foi a última vez que Sanaa viu teu pai e seu irmão de quinze anos. Sanaa, 21, e tuas duas irmãs, Hanaa, 25, e Hadyia, 18, foram levadas do vilarejo de Kojo para Mossul, cidade sob controle do EI. Lá, ficaram presas em uma moradia com mais de 100 mulheres.


De vez em no momento em que, os combatentes levavam uma das mulheres para uma sala e a estupravam. Sanaa, os olhos baixos. Oito Conselhos Para Descartar Em 2018 milhões de pessoas se horrorizam com as cenas do piloto jordaniano queimado vivo e do jornalista japonês decapitado pelo EI, mais de 2.000 mulheres iraquianas continuam vivendo um pesadelo bem retirado das câmeras.

  • 8 - Reserve seus sentimentos para a hora certa
  • 2 Família Santiago
  • onze Isabel Olinto
  • 2 de janeiro de 2009 - onze de setembro de 2009 Sucedido por
  • APRENDA A TOCAR NELA SEM IMPORTUNAR
  • Seja a sua Namorada, No entanto Bem como sua amiga
  • Tatiana Cardoso Murakami falou

Essas mulheres são mantidas há 6 meses como escravas sexuais, "esposas" ou servas de integrantes do EI na localidade de Mossul, no Iraque, e em Raqqa, na Síria —as duas "capitais" da facção terrorista. Elas realizam quota da minoria religiosa yazidi e foram sequestradas em agosto pela região de Sinjar, perto da Síria. A Folha conversou com muitas das poucas mulheres que conseguiram escapar do Estado Islâmico e estão vivendo nos campos de refugiados em Khanke e Sharia, no norte do Iraque. Oração Para Parelhar Namorado - Oração Do Dia /p>

Diariamente, os "soldados" do EI vinham escolher e levar a despeito de "tuas" mulheres. As Quem Tem que Do 'Jeito Do Respeito' Pra Dominar Um Homem? e mais bonitas eram dadas de "presente" para os milicianos estrangeiros. As que sobravam eram "usadas" pelos soldados locais. Sanaa foi vendida com suas duas irmãs e mais uma moça e levada pra Raqqa, pela Síria. Lá, ela frequentemente era estuprada por combatentes estrangeiros do EI. Milhares de estrangeiros se uniram ao EI na Síria e no Iraque.


O EI publicou um comunicado afirmando que as mulheres yazidis, ao contrário de judias e cristãs, que são das religiões de Abraão, poderiam ser escravizadas. Dabiq, revista da milícia terrorista. Os yazidis são considerados "adoradores do Diabo" pelos islamistas. Segundo Sean Moore, psicólogo canadense da ONG Med East, que vem trabalhando com as mulheres yazidis, a agressão dos milicianos do EI é espantosa. Khidher Domle, ativista yazidi e professor da Faculdade de Duhok, estima que 5.000 yazidis tenham sido sequestrados desde agosto pelo EI e 3.500 ainda estejam desaparecidos. Ele tem uma equipe que está tentando libertar mulheres escravizadas e oferece aconselhamento psicológico e assistência médica pra aquelas que fogem ou são resgatadas.


Das 279 mulheres que conseguiram fugir do EI, a maioria foi estuprada ou foi vítima de violência física não sexual, diz Domle, enquanto olha pra uma mensagem no celular e sorri. Imediatamente as gurias são levadas pra campos de treinamento, onde aprendem a utilizar armas e são doutrinadas na versão fundamentalista do islamismo que o EI prega.


Para Domle, o EI está enfraquecido depois dos ataques aéreos da coalizão internacional, no entanto não vai libertar as reféns, vai usá-las como escudo humano. São yazidis, muçulmanos xiitas, shabaks, cristãos e bem como muçulmanos sunitas (mesmo ramo do EI) que não concordam com os métodos da facção radical. Segundo ele, o Exército iraquiano colabora muito insuficiente, bem que a maioria dos refugiados venha de áreas ante a jurisdição dele, ou melhor, fora do Curdistão. E a auxílio da coalizão internacional, que vem fazendo bombardeiros aéreos contra posições do EI, é insuficiente. As yazidis sequestradas que são capazes de reverter para residência enfrentam mais um desafio: o preconceito.


Os yazidis são muito fechados, só casam entre si. Mulheres que desrespeitam a tradição muitas vezes são falecidas em "assassinatos por honra", apedrejadas. Algumas não conseguem inventar a humilhação e se suicidam. Kazhal Sharif, 18, que ficou 3 meses com novas 300 mulheres em um edifício em Mossul. Às vezes, ela lembra, traziam roupas de noiva e punham em garotas de 10 anos, que levavam para Síria para "casar".

Go Back

Comment

Blog Search

Comments

There are currently no blog comments.